Lula defende novo programa de Bolsonaro, mas faz ressalva: “Problema dele se tentar tirar proveito disso”

Uma notícia tem sido destaque nas redes sociais nesta quarta-feira (20). O O ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva (PT) se mostrou favorável e defendeu o Auxílio Brasil, criado pelo governo federal para ser o substituto do Bolsa Família, programa social foi criado na primeira gestão do ex-presidente Lula. Contudo, ele também fez críticas.

De acordo com o ex-presidente Lula, o valor disponibilizado deveria ser acima de R$ 400, quantia proposta inicialmente pelo governo federal. O petista ainda fez críticas a quem é contrário ao novo programa social. Confira:

“Eu não penso assim. Faz mais de 5 meses que o PT pediu um auxílio de 600 reais. O PT pediu um novo Bolsa Família de 600. Problema dele se tentar tirar proveito disso. Se alguém acha que vai ganhar um auxílio de R$ 600 paciência, eu acho que ele tem que dar”, contou o ex-presidente Lula nesta quarta-feira (20), em entrevista exibida ao programa Isso é Bahia, na rádio A Tarde FM 103,9.

Algumas divergências entre o Planalto e a equipe econômica resultou no adiamento do Auxílio Brasil, previsto inicialmente para essa terça-feira (19). O valor proposto extrapola o teto do orçamento de gastos. O benefício deverá ser pago até dezembro de 2022, de acordo com previsão inicial do governo federal.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional, Politica.

‘Quem planta vento colhe tempestade’, dispara Lula em resposta a Ciro Gomes após críticas feitas a Dilma Rousseff

Uma notícia tem sido destaque nas redes sociais nesta sexta-feira (15). O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT-CE), fez declarações ao podcast Estadão Notícias e acusou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), de conspirar pelo impeachment de Dilma Rousseff. Em resposta a Ciro Gomes, Lula disse nessa quinta-feira (14), que o pedetista foi ‘banal e grosseiro’ nas acusações. “Eu só lamento profundamente que seja assim. Não sei o que ele está querendo, mas quem planta vento, colhe tempestade”.

“O que ele fez ontem foi tão banal, tão grosseiro, que às vezes eu fico pensando quando Jesus Cristo, na cruz, dizia: ‘Pai, perdoai os ignorantes, eles não sabem o que fazem’. Eu às vezes fico pensando nessa frase”, contou o ex-presidente Lula em entrevista à rádio Grande FM, de Dourados (MS).

“Não sei se o Ciro teve covid ou não, mas me disseram que quem tem covid tem problemas de sequelas, alguns têm problema no cérebro”, afirmou Lula. “Não é possível que um homem que pleiteia a Presidência da República possa falar as baixarias que ele falou”.

A fala de Ciro Gomes ao Estadão Notícias teve muita repercussão nessa quarta-feira (13), em razão das críticas que fez ao Partido dos Trabalhadores. Após a entrevista de Ciro Gomes, houve um bate-boca entre ele e a ex-presidente Dilma por meio do Twitter.“Eu atuei contra o impeachment e quem fez o golpe foi o Senado Federal. Quem presidiu o Senado? Renan Calheiros. Quem liderou o MDB nessa investida? O (ex-senador) Eunício Oliveira. Com quem o Lula está hoje?”, afirmou Ciro ao Estadão. “Hoje eu estou seguro que o Lula conspirou pelo impeachment da Dilma, estou seguro.”

Em resposta, Dilma Rousseff disse que Ciro Gomes “mente de maneira descarada” e que a fala do ex-ministro tem como objetivo ganhar popularidade.“Ciro Gomes está tentando de todas as formas reagir à sua baixa aprovação popular. Mais uma vez, mente de maneira descarada, mergulhando no fundo do poço”, comentou Dilma no Twitter. “O problema, para ele, é que usa este método há muito tempo e continua há quase uma década com apenas um dígito nas pesquisas.”

O ex-presidente Lula durante a entrevista à rádio de Dourados não quis falar sobre o mandato de Dilma Rousseff, porém admitiu ter havido desajuste fiscal após o “excesso de desoneração”, praticado pela ex-presidente em 2014. Lula ainda criticou o ex-juiz Sergio Moro e a Operação Lava-Jato, chamados pelo petista de “criações da imprensa”. O ex-presidente comentou durante a entrevista que ainda não decidiu se será candidato à presidência da República. “Eu vou decidir no começo do ano (que vem)”, contou.

Lula se referiu a Sergio Moro como “um deus de barro criado pela imprensa brasileira” para destruí-lo, e voltou a defender a regulamentação da mídia e negou que o projeto implique em censura aos meios de comunicação. O ex-presidente afirmou que ele seria “a pessoa mais censurada da história do País”.

Sobre as eleições de 2022, Lula afirmou que ainda não decidiu se será candidato, porém lembrou que esta decisão é conjunta entre ele e o seu partido.”Na hora que aparecer alguém com mais viabilidade de ganhar, obviamente o PT tem toda a liberdade de escolher outra pessoa”, concluiu.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , .

Categoria(s): Destaque, Politica.

Assalariados empobrecem com dolarização enquanto Paulo Guedes enriquece em paraíso fiscal, denuncia Jorge Solla

O deputado Jorge Solla (PT-BA) acusou nesta terça-feira (5) o ministro da Economia, Paulo Guedes, de promover uma política econômica que favoreceu a si mesmo, com a valorização desenfreada do dólar norte-americano em relação ao real, enquanto o poder de compra do salário mínimo e de outras faixas salariais tem sido reduzido substancialmente, com a dolarização da economia e a inflação que voltou por incompetência do governo Bolsonaro.

O deputado disse que Paulo Guedes “coloca o Brasil no inferno, enquanto a sua grana rende no paraíso, nas Ilhas Virgens Britânicas, no Caribe. Enquanto ele já dobrou em real a fortuna em dólares que botou lá, a população brasileira que vive de salário mínimo perde o poder de compra”. No governo Bolsonaro, o dólar valorizo quase 40%, fazendo com que a fortuna de Guedes depositada no paraíso fiscal crescesse pelo menos 14 milhões de reais.

Solla observou que quando o dólar sobe e provoca inflação, “aumenta a miséria do povo brasileiro e Guedes comemora”. E ironizou: “E agora sabemos por que a comemoração dele com o aumento do dólar. Agora todos nós e o Brasil inteiro sabemos por que Guedes comemora o aumento do dólar e quanto ele lucra cada vez que o dólar aumenta neste País. Só do dia em que ele assumiu o cargo até hoje, já aumentou em mais de 15 milhões de reais a sua fortuna depositada nos paraísos fiscais. É uma canalhice que não tem mais limite”.

Escândalo dos paraísos fiscais
O ministro tem depositados nas Ilhas Virgens Britânicas, um paraíso fiscal no Caribe, US$ 9,55 milhões, por meio de uma offshore. As denúncias sobre sua conta e de outros figurões foi feita pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), do qual fazem parte, no Brasil, a revista Piauí, os portais Metrópoles e Poder 360 e a Agência Pública. Hoje, a Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou a convocação do ministro para que explique suas movimentações financeiras no exterior através de offshore.

“Estamos vivendo o descontrole da inflação. O valor dos produtos é negociado em dólar”, reclamou Solla , lembrando que a política econômica atual é contrária aos interesses da maioria do povo brasileiro, já que a dolarização impacta diretamente nos preços de itens como alimentos.

O parlamentar assinalou que em julho, durante evento para debater a reforma do Imposto de Renda, Guedes defendeu que se retirasse do projeto a regra que tributária recurso de brasileiro em paraísos fiscais. Ou seja, disse o deputado, “tirou o (dinheiro) dele do pagamento de imposto”. Segundo o Banco Central, mais de 60 mil pessoas físicas residentes no Brasil mantêm no exterior nada menos que 1 trilhão de reais, entre eles Paulo Guedes e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Colapso do SUS
Solla alertou que poderá haver também “colapso do SUS”, uma vez que os custos da saúde, como medicamentos e equipamentos, são dolarizados. “A tabela de serviços do SUS, que já estava duramente defasada, agora está impraticável. O colapso se anuncia na gestão do sistema de saúde”, disse. Segundo ele, os serviços existentes estão funcionando a duras penas, mantidos principalmente com recursos de estados e municípios, que têm tentado a toda forma garantir a manutenção do atendimento à população.

O deputado defendeu o impeachment de Bolsonaro como forma de suplantar os problemas do país, que vão da corrupção à inflação e a má gestão do combate à pandemia de Covid-19, que tirou a vida de mais de 600 mil brasileiros por conta, na análise do deputado, da omissão do governo do ex-capitão na compra de vacinas. “A medida em saúde pública mais importante neste momento, para enfrentar a pandemia de forma adequada, é afastar esse presidente insano”, afirmou Jorge Solla.

Ele assinalou que foi uma vitória da ciência a diminuição do número de contaminados e mortos por Covid-19 no País, com a vacinação em massa, que já alcançou 44% por cento da população com duas doses, 70% com uma dose. Ele frisou, contudo, que o número de mortos poderia ter sido muito menor se não fosse o negacionismo de Bolsonaro, que no ano passado ignorou a necessidade de compras de vacinas contra o novo coronavírus.

Mortes por Covid
“Se o Governo tivesse comprado as vacinas que foram oferecidas diretamente pelos laboratórios produtores no ano passado, teríamos disponibilidade e vacinas e quantas milhares de vidas teriam sido salvas em nosso país?”, indagou. “Tanta gente se foi neste ano porque o governo Bolsonaro e sua quadrilha se negaram a negociar com laboratórios sérios para conseguir comprar as vacinas e queriam propinas de um dólar por dose!”

O parlamentar disse que a CPI da Covid tem mostrado que Bolsonaro, “para tentar evitar o impeachment, está entregando as chaves do Ministério da Saúde para quadrilha de corruptos e está entregando o governo para salvar sua própria pele”. Observou que as compras feitas através de empresas intermediárias de fachada com contas em paraísos fiscais, num esquema criminoso, foram interrompidas por uma denúncia e pela CPI.

“Houve roubalheira, também, no transporte de vacinas, no transporte de medicamentos, na compra de testes. Este Governo tem a marca da mentira e a marca da corrupção, inclusive, ao destruir a vida das pessoas, no Ministério da Saúde”, completou Solla

Ele advertiu que o governo está se omitindo novamente em relação à imunização da população, já que não planeja compras de vacinas para 2022, mesmo constatando-se a efetividade dos imunizantes. “Pasmem vocês, até a esta altura, não há programação de entrega de doses para 2022. O orçamento de 2022 para compra de vacina é 86% menor: é de apenas 3,9 bilhões de reais ante 28 bilhões de reais aplicados neste ano com vacina”.

Ele criticou o Ministério da Saúde por não ter sequer organizado os dados em planilhas, já “a ordem do presidente é não mostrar que as vacinas funcionam”. Ele criticou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, por se comportar como fantoche do negacionismo de Bolsonaro.

Solla denunciou também que é extremamente grave o corte de recursos para a área de saúde no ano que vem. São 43,5 bilhões de reais a menos previstos no orçamento do ano que vem para a saúde, isto é, 134,5 bilhões de reais, ante os 178 bilhões de reais deste ano.

Tag(s): .

Categoria(s): Nacional, Politica.

Nova pesquisa da Genial/Quaest aponta que disputa entre Lula e Bolsonaro teria vitória do ex-presidente em diversos cenários de 2º turno

Uma notícia tem repercutido nas redes sociais nesta quarta-feira (6). Foi divulgada nova pesquisa eleitoral feita pela Genial Investimentos e pela Quaest Consultoria na qual o ex-presidente Lula venceria os possíveis cenários de segundo turno na corrida presidencial em 2022. O levantamento mostrou que Lula teria 53% dos votos, enquanto Bolsonaro teria 29% das intenções.

O levantamento considerou também outros seis cenários de segundo turno e o ex-presidente Lula só teve menos de 50% contra o pedetista Ciro Gomes. Neste caso, Lula ficaria com 49%, Ciro com 26%, e 22% dos entrevistados afirmaram que votariam branco ou nulo nas próximas eleições.

O nível de confiabilidade do levantamento é de 95% e a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Outros cenários de segundo turno em 2022

Lula (52%) x Sergio Moro (26%)

Lula (54%) x Luiza Trajano (17%)

Lula (54%) x João Doria (16%)

Lula (55%) x Eduardo Leite (15%)

Lula (56%) x Rodrigo Pacheco (14%)

A pesquisa mostrou que Bolsonaro varia entre 24 e 27%, segundo o resultado coletado dos entrevistados à medida que os nomes eram apresentados como opções. O levantamento feito pela Genial/Quaest apontou quatro nomes presentes no primeiro turno: Bolsonaro, Lula, Ciro e uma quarta pessoa que variou.

Cenário 1: com Datena

Lula (PT): 43%

Bolsonaro (sem partido): 24%

Ciro Gomes (PDT): 10%

Datena (PSL): 11%

Brancos e nulos: 9%

Não sabem: 3%.

Cenário 2: com Sergio Moro

Lula (PT): 44%

Bolsonaro (sem partido): 24%

Ciro Gomes (PDT): 9%

Sergio Moro (sem partido): 10%

Brancos e nulos: 9%

Não sabem: 3%

Cenário 3: com João Doria

Lula (PT): 45%

Bolsonaro (sem partido): 26%

Ciro Gomes (PDT): 10%

João Doria (PSDB): 6%

Brancos e nulos: 10%

Não sabem: 3%

Cenário 4: com Henrique Mandetta

Lula (PT): 44%

Bolsonaro (sem partido): 26%

Ciro Gomes (PDT): 11%

Henrique Mandetta (DEM): 6%

Brancos e nulos: 10%

Não sabem: 3%

Foram analisados outros cenários com nomes como Eduardo Leite (PSDB), Luiza Trajano (sem partido), Rodrigo Pacheco (DEM) e Alessandro Vieira (Cidadania) aparecendo como opções para o eleitor, mas nenhum deles atingiu 5% das intenções na disputa contra Lula, Bolsonaro e Ciro Gomes.

A pesquisa mostrou que 53% dos entrevistados consideram o atual governo como negativo. Por outro lado, 24% avaliam o governo como regular e 20% como positivo. O levantamento foi realizado entre os dias 30 de setembro e 3 de outubro e foram feitas 2.048 entrevistas em 123 municípios de 26 estados.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , .

Categoria(s): Destaque, Nacional, Politica.