Vice-presidente da républica, Hamilton Mourão, se pronuncia sobre caçada a Lázaro

Ao comentar o caso do criminoso Lázaro Barbosa, de 32 anos, procurado pela polícia em Goiás há 10 dias, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou, na manhã desta sexta-feira (18/6), que não é fácil encontrá-lo em “mato cerrado”. Segundo ele, “é igual a buscar leão na selva”.

Lázaro é suspeito de ter cometido vários crimes no Distrito Federal, incluindo a chacina de uma família, e em outros estados. As polícias do DF e de Goiás montaram uma força-tarefa para encontrá-lo.

“A polícia tem tropa especializada, principalmente na área em que ele está, de mato cerrado, não é simples você achar uma pessoa. Uma área larga, você tem de isolar. Primeiro, se faz um cerco longo, depois você vai dividindo por quadrante e vai vasculhando até achar o cara. É igual a buscar leão na selva, vai batendo mato, operação demorada”, explicou.

Nessa quinta-feira (18/6), 20 homens da Força Nacional de Segurança foram encaminhados para o Entorno do DF. O ministro da Justiça, Anderson Torres, ligou para o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, oferecendo ajuda federal.

Ficha criminal
Lázaro tem uma extensa ficha criminal. Ele é suspeito de ter invadido uma casa na Fazenda Vidal, no Incra 9, na madrugada do dia 9 de junho, no Distrito Federal, e assassinado a tiros e facadas Cláudio Vidal de Oliveira, 48; Gustavo Marques Vidal, 21 e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15.

Depois, o suspeito raptou a matriarca Cleonice Marques, de 43 anos. O corpo dela só foi encontrado três dias depois, em uma zona de mata, próximo a um córrego. A mulher foi executada com tiro na cabeça e estava nua.

Ele também fez fez chacareiros reféns, trocou tiro com um caseiro e com a polícia, mas segue foragido.

Com textos e informações do portal Metrópoles

Tag(s): .

Categoria(s): Destaque.

Namorado planta 500 pés de girassóis pela cidade para homenagear companheira: “É o amor da minha vida”

Hoje a notícia é do amor!! Tao importante nesses tempos difíceis. Qual sinônimo para o amor? Aqueles mais românticos dirão que existem infinitas possibilidades, dentre elas, a luz. Os apaixonados, mergulhados em um turbilhão de sentimentos, dão as costas para a escuridão e se voltam de braços e coração abertos para a luz, assim como acontece com o girassol.

Essa planta que remete à felicidade foi a escolhida pelo consultor educacional João Umbelino de Sousa, de 41 anos, para externar o amor que ele sente por sua companheira, de 34 anos. O apaixonado resolveu declarar seu amor para sua amada plantando girassóis pela cidade de Quixeramobim, onde mora.

A história, digna de um enredo dos livros do escritor romântico José de Alencar, começou a ser escrita no ano passado, na cidade de Quixeramobim, no Sertão Central.

Os protagonistas foram apresentados um ao outro, por acaso, durante um evento virtual. “A conheci na internet, no ano passado, durante esse encontro de vendas. A gente começou a se falar e as conversas foram se tornando mais frequentes. Senti que ela tinha algo especial”, rememora João.

Semanas depois eles decidem se conhecer pessoalmente. João compra uma passagem e ela percorre cerca de 190 quilômetros de Fortaleza, cidade onde a companheira reside, até Quixeramobim. “Peguei um mototaxi e fui esperá-la na rodoviária”.

“Quando a gente se encontrou e eu olhei dentro do olhos delas senti uma forte emoção. Naquele exato momento tive a certeza de que ela era a mulher da minha vida”

Apaixonados, ele a pede em namoro e diante da resposta afirmativa dela, a relação é oficializada naquele momento. A distância imposta pelas distintas cidades onde residem, segundo João, só fortaleceu a união dos dois. Após completarem um ano de namoro, ele decide homenagear a amada.

“Queria fazer algo marcante e original. Algo que ela pudesse sentir todo amor que tenho por ela”. João então decide colorir a cidade com girassóis. Com o consentimento da companheira, ele começa, em março deste ano, a plantar girassóis pelas ruas de Quixeramobim.

“É uma planta alegre e que procura sempre a luz. Acho que tem muita relação com o amor”, considera o consultor educacional.

“QUATRO DA MADRUGADA, JÁ ESTOU NA RUA PLANTANDO E REGANDO”

Quatro meses após o início da homenagem, oito ruas do bairro Salviano Carlos já se transformaram. Quinhentos pés colorem a cidade do Interior do Ceará e denunciam que por ali passou “um homem apaixonado”, conforme ele faz questão de ressaltar.

A tarefa não é simples. João acorda cedo e as 4 da manhã, antes mesmo de o sol nascer, já está nas ruas. O relógio corre contra ele. Às 8h o consultor já deve estar a postos no trabalho. Tudo é feito dentro de um cronograma pré-estabelecido. “Primeiro planto a semente e depois vou regando cada um dos pés. Faço roteiro das ruas e sigo o percurso”, detalha.

O trabalho é lento. São cerca de 3 horas por dia, “de domingo a domingo”. O resultado, porém, é gratificante. “Me perguntam como consigo deixar os girassóis tão lindos, com um amarelo vivo. Para todos eu revelo o segredo e digo que, além de regar, eu adubo com amor. Não tem como não crescerem bonitos”.

Ele explica que os pés precisam ser regados nos primeiros dias após o depósito da semente ao solo. Após esta etapa, eles se desenvolvem sozinhos e, dentro de 45 dias, já começa a brotar as primeiras flores. Umbelino revela que já plantou 500 pés, mas diz querer ir além. A meta é plantar cinco mil girassóis em Quixeramobim.

“Em qualquer rua da cidade que ela andar, ela verá um girassol e saberá que eles todos são dedicados a ela”.

GRANDE ENCONTRO

Mas como a companheira reagiu a tamanha homenagem? João mantém o mesmo tom romântico de toda entrevista e responde: “todo dia faço uma foto ou gravo um vídeo do plantio e envio para ela, que se emociona. Minha felicidade é vê-la bem, feliz”.

A companheira, de 34 anos, que trabalha com vendas, ainda não viu os girassóis pessoalmente. Umbelino também faz suspense e não revela sequer o nome da amada. Quer deixar o suspense para o grande dia. É que o encontro dos dois em Quixeramobim está marcado para acontecer neste fim de semana. “Será a primeira vez que ela verá os girassóis. Também será nesse dia em que a pedirei em casamento”, antecipa João.

“O plano é viver juntos e construir uma linda história. Quero a cada dia mostrar o carinho e amor que sinto por ela. Ela é a mulher da minha vida”.

 

Textos e informações do portal Diário do Nordeste

Categoria(s): Destaque.

“Muitos que vivem merecem morrer”, dizia carta encontrada em esconderijo de Lázaro

Uma notícia está sendo destaque nesta sexta-feira (18). Policiais que integram as forças de segurança empenhadas na captura do maníaco Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, encontraram uma carta abandonada no local onde o criminoso teria usado como esconderijo durante algum tempo, na região de Edilândia, em Goiás. No interior do local, as equipes notaram, sobre a mesa, uma folha de papel A4 com um texto escrito à mão.

A carta, redigida em tinta de caneta esferográfica vermelha, discorre sobre quem tem o direito de morrer ou de viver. “Muitos que vivem merecem morrer, alguns que morrem merece (sic) viver”, diz o texto. O material foi apreendido e levado para perícia. Os policiais investigam se Lázaro escreveu ou apenas carregava o manuscrito, que replica algumas falas de um personagem da trilogia Senhor dos Anéis.

Curiosamente, foram deixadas algumas frutas, colocadas dentro de cestos de palha, junto da carta. Havia também uma toalha rosa forrando a mesa. Até ser descoberto pela polícia, o casebre teria sido usado como ponto de apoio pelo criminoso. Na mesma área existe uma região de mata ciliar, o que teria facilitado a fuga do autor da chacina.

Carta 

No final, o texto faz menção de “outras forças agindo neste mundo, além da vontade do mal”. De acordo com fontes policiais ouvidas pelo Metrópoles, a perseguição ao autor da chacina que tirou a vida de quatro pessoas da mesma família é extremamente difícil em razão da desenvoltura do criminoso no Cerrado.

Lázaro, segundo os policiais, tem o costume de queimar todo tipo de objeto que ele carrega e que não irá mais usar. Roupas velhas e molhadas, restos de comida, tudo é jogado no fogo. Além disso, o criminoso costuma caminhar pelo leito de riachos e córregos para dificultar o trabalho dos cães farejadores empregados na caçada.

A força-tarefa trocou tiros com o maníaco na tarde dessa quinta-feira (17/6), após ele ter fugido das proximidades da casa onde o pai dele vive. Dezenas de policiais civis e militares, além de viaturas e três helicópteros, foram mobilizados na operação. Um pouco antes do confronto, cães farejadores encontraram um pano ensanguentado, o que reforça a suspeita de que o criminoso estaria ferido.

Textos e informação do portal Metropóles

 

Categoria(s): Destaque.

“Cada crime que ele pratica é uma facada no meu coração!”, diz pai de Lázaro envergonhado

“‘Tá’ uma revolução no país praticamente inteiro e eu não tenho onde ‘socar’ mais o meu rosto de vergonha. Cada crime que ele pratica é uma facada no meu coração!”. Essa é uma das falas do pai de Lázaro Barbosa, homem procurado por cometer uma série de assassinatos e outros crimes em Goiás e no Distrito Federal. O aposentado também afirmou que está “envergonhado” com os delitos que o filho cometeu.

Segundo ele, Lázaro não é seu filho biológico, ele e a ex-mulher pegaram Lázaro e um outro menino pra criar.

“Dizem que é filho meu, registrei, mas a própria mãe falava que ele não é filho meu. Nem ele, nem o outro, que eram dois”, disse o aposentado. O homem disse que se casou muito jovem com a mulher, na Bahia, e que ela “pegou o menino para criar” e que ele “era bandido”. O casal se separou quando Lázaro ainda era criança.

Lázaro Barbosa é procurado e acusado de matar brutalmente quatro pessoas de uma mesma família em Ceilândia (DF) e cometer uma série de invasões em fazendas, além de fazer caseiros e familiares de reféns.

Cerca de 200 policiais do Distrito Federal e de Goiás estão à procura do criminoso. De acordo com a polícia, Lázaro tem experiência em áreas de mata e, com isso, habilidade para se esconder, dificultando a ação dos agentes.

Textos e informações do portal  SBT

Categoria(s): Destaque.