Caso menino Henry: Padrasto vereador e mãe são presos no início da manhã após descoberta

O Brasil acordou diante de uma reviravolta nesta quinta-feira (8). Isso porque o padrasto e a mãe do menino Henry Borel acabaram presos.

O conhecido vereador e médico Dr.Jairinho, o padrasto, e a Monique Medeiros, a mãe, foram presos, bem cedo pela manhã, na quinta-feira de hoje, no Rio de Janeiro. Ambos são suspeitos na caso da morte de Henry, que ocorreu há um mês, exatamente no dia 8 de março.  Durante depoimento em sua defesa, o casal afirmou estar dormindo e argumentou que acordaram com um barulho. Ao irem para o cômodo onde Henry estava, eles teriam encontrado o garoto caído no chão, o que teria ocorrido por conta de uma queda ou acidente. Bastante debilitado, Henry foi levado ao hospital pelos dois. Chegando lá, o menino apresentara diversos traumas no corpo e não resistiu, mesmo com a ajuda da equipe médica. Então, a agora a polícia descobriu algo inédito sobre a história.

A descoberta

Após perícia, descobriu-se que a quantidade de lesões e os locais onde elas foram encontradas denotavam muito uma situação de agressão e não de queda ou acidente. Agora, de acordo com o portal Globo, durante as investigações os policiais descobriram que o vereador Jairinho agredia o menino com chutes, rasteiras e até golpes na cabeça, o que pode explicar a gravidade das lesões encontradas no menino. Surpreendentemente, a mãe supostamente teria conhecimento disso há pelo menos um mês antes da morte de Henry. Mas não termina aí.

Além disso, o casal também é suspeito de atrapalhar nas investigações e ameaçar testemunhas. Eles estariam pressionando-as a combinar versões sobre o caso. As autoridades também compilaram dados dos celulares dos dois e descobriram muitas informações, inclusive que eles teriam apagado conversas e talvez até trocado de aparelhos. Então, baseando nisso tudo a Polícia pôde embasar o pedido de prisão. Os dois seguem presos aguardando por julgamento.

Da Redação do Acontece na Bahia.

Tag(s): , , .

Categoria(s): Nacional.

Comente: