Assassinato de soldada americana expõe violência sexual nas Forças Armadas dos EUA

No dia 22 de abril, Vanessa Guillén, de apenas 20 anos, foi vista pela última vez na base militar de Fort Hood, nos Estados Unidos. No local, atuam cerca de 40 mil militares é considerada uma das maiores bases do mundo.

A jovem foi declarada desaparecida no dia seguinte. Após dias de procura, no dia 30 de junho, restos mortais foram enterrados perto de um rio a cerca de 40 Km de Fort Hood. Após análise foi comprovado que o corpo era da mulher.

O soldado Aaron David Robinson, de 20 anos, que se suicidou com um tiro em 1º de julho, é o principal suspeito do assassinato juntamente com sua namorada Cecily Aguilar, de 22 anos, que está presa.

De acordo com a família, Vanessa havia contado a poucos dias que estava sofrendo assédio sexual na base em que trabalhava, mas não havia realizado nenhum tipo de reclamação formal por medo de sofrer retaliação.

Por consequência, muitas mulheres começaram a usar a hashtag nas redes sociais #IamVanessaGuillen (Eu Sou Vanessa Guillén) e revelaram experiências de abuso e assédio sexual enquanto trabalhavam.

Vanessa Guillén

“As Forças Armadas dos Estados Unidos têm a responsabilidade de garantir a segurança e bem-estar das jovens mulheres e homens que prestam o juramento de defender nosso país. No caso de Guillén, o Exército dos Estados Unidos falhou tanto com Vanessa quanto com sua família”, disse um das Deputadas Federais do pais ao comentar sobre o crime.

Categoria(s): Internacional.

Comente: