Após ser sequestrado, jovem de 15 anos é encontrado morto

Na última segunda-feira (15), populares se revoltaram ao saber da morte de Guilherme Silva Guedes, de 15 anos, na zona sul da cidade de São Paulo. O jovem foi sequestrado na madrugada do último domingo (14) e encontrado morto nas proximidades da avenida Alda, que liga São Paulo à Diadema.

O caso gerou revolta na população, que queimaram ônibus e fecharam a avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira no final da tarde. “Ele era super tranquilo, amoroso, a gente nunca viu ele brigando. O Guilherme era muito querido na região. A manifestação foi por causa dele, todo mundo gostava dele”, desabafa um familiar.

De acordo com relatos de um parente da vítima, Guilherme estava em frente à casa de sua avó, na rua Rolando Curti, na Vila Clara, quando dois homens armados o renderam e o levaram.

O familiar da vítima informa que antes de Guilherme deixar a casa da avó, alguns meninos teriam entrado no galpão, fizeram “uma bagunça por lá” e, em seguida, deixaram o local. No momento em que saíram, Guilherme teria ido em frente ao portão da residência e foi abordado. “Para mim confundiram ele com quem teria entrado na Sabesp”, conta. Ainda conforme o parente, o corpo de Guilherme foi encontrado com ferimentos de tiros na cabeça e em uma das mãos, além de machucados.

Familiares suspeitam que policiais militares estejam envolvidos no caso, uma vez que encontraram um pedaço de pano semelhante a farda utilizada pela corporação com a inscrição ‘SD PM Paulo’ onde o jovem foi visto pela última vez.

Ao ser questionada sobre a morte do rapaz, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, liderada pelo coronel João Camilo Pires de Campos, informou que o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) comanda a investigação. “A Polícia Militar também acompanha a apuração. Se comprovada participação policial, medidas cabíveis serão adotadas”, afirma.

Da Redação.

Categoria(s): Nacional.

Comente: