Após demora na entrega, vendedor de salgados sem uma das mãos é humilhado por cliente: ‘Fiz com maior carinho’

Na última sexta-feira (26),o vendedor de salgados José Rafael Marciano, de 32 anos, desabafou nas redes sociais que foi humilhado por uma cliente que não aceitou a mercadoria por demora na entrega, em Marília, interior de São Paulo. Rafael não tem a mão esquerda e começou a vender salgados para complementar a renda durante a pandemia da Covid-19.

“Fiz com maior carinho, fui até na casa, aí não quis mais porque demorei um pouco. Gente, eu faço tudo na mão, sou deficiente físico, faço tudo com dificuldade, agora vieram me xingar, me ofender. Sobrou muito salgado. Se alguém quiser”, desabafa.

Ele disse que o cliente pediu 50 unidades de salgados por volta das 9h e que fossem entregues às 11h. No entanto, pela grande quantidade, a encomenda só ficou pronta às 13h. “Aí ele me xingou no telefone, disse que eu não era profissional, que eu era vagabundo, que eu tinha que ter avisado antes. Eu fiquei magoado, triste, chorei muito porque sou muito emotivo”, explica.

O vendedor, além de não ter uma das mãos, nasceu sem as costelas do lado esquerdo e problemas no coração, que fica “desprotegido”. Antes de começar a vender salgados, Rafael era pintor, mas devido aos problemas de saúde foi proibido pelo médico de exercer a profissão.

A publicação teve mais de 42 mil curtidas e 17 mil compartilhamentos. Após a repercussão, Rafael disse que já recebeu muitas encomendas, doações e propostas de motoboys para fazer o serviço de entrega para ele.

Categoria(s): Social.

Comente: