Acusado de estuprar e matar universitária pega 40 anos de prisão

Na última terça-feira (25), o Tribunal de Justiça de São Paulo condenou o acusado de estuprar e matar a universitária Mariana Bazza em Bariri (SP) a mais de 40 anos de prisão em regime fechado.

O crime ocorreu em setembro de 2019, o condenado foi tido como culpado em primeira instância, de acordo com Evandro Demétrio, seu advogado de defesa.

De acordo com Evandro,  a decisão não foi publicada pelo Tribunal de Justiça (TJ) e que aguarda essa publicação para entrar com recurso.

Ele foi condenado a 40 anos, 10 meses e 18 dias de prisão, inicialmente em regime fechado, por latrocínio, estupro e ocultação de cadáver. O corpo da jovem foi encontrado em um canavial.

Mariana desapareceu após sair da academia que frequentava diariamente, no dia 24 de setembro o pneu do carro deu problema e Rodrigo se ofereceu a trocar.

No imóvel que o homem trabalhava, o suspeito troca o pneu do carro de Mariana. A jovem chega a fazer uma foto dele trocando o pneu e manda para parentes.

Por fim, esse é o último momento que se tem notícia da jovem, ela enviando mensagem sobre o pneu furado, os procedimentos que estavam sendo feitos e que recebia ajuda do suspeito.

Categoria(s): Nacional.

Comente: